Roberta Reis - Redatora Freelancer

Será que você deve mesmo ser um redator freelancer?

Além de trabalhar de casa e fazer os seus horários, é importante que se identifique com a atividade.

Junte-se ao nosso grupo de redatores

Entre para a mellhor comunidade de redatores e receba os meus conteúdos com prioridade

Será que você deve mesmo ser um redator freelancer?

Basicamente, o redator freelancer é aquele que elabora textos e artigos para outras empresas ou empreendedores.

Ele é alguém com expertise na escrita e que, portanto, pode fazer esse trabalho para que os seus clientes ganhem mais autoridade e competitividade no mercado, aumentem as vendas e acessos às suas páginas, gerem mais conversões, etc.

E o interessante, é que a tarefa permite que trabalhe full time, preencha as oito horas do seu dia com jobs e ainda por cima ganhe mais do que imagina.

Legal, né?

Mas afinal, será que você deve mesmo ser um redator freelancer?

A ideia desse artigo é justamente responder essa pergunta.

Hoje, os leitores vão entender o que esse profissional faz, como trabalha, quais são os tipos de clientes que aparecem, os conhecimentos necessários e quanto é possível ganhar com a empreitada.

Fique por aqui e aproveite a leitura!


O que faz um redator freelancer?

De maneira simples, o redator freelancer é aquele que escreve textos para empresas ou empreendedores publicarem em seus blogs.

Isso geralmente é feito na modalidade ghost-writer, em que o profissional elabora o artigo como se ele fosse, na verdade, o dono do negócio “conversando” com o leitor.

Mas existem também os casos em que o cliente opta por incluir a sua assinatura no artigo.

Essas situações são mais atípicas, mas podem sim acontecer.

Bom, o redator não precisa ter uma formação específica e, para ser mais exata, nem o curso superior é necessário, mas, obviamente, deve saber escrever muito bem.

E aqui não entra só o português correto, mas também:

- A fluidez – que é a leitura agradável, com parágrafos conectados.

- A técnica - parágrafos curtos, palavras-chave, entre outras necessidades de mercado.

- A venda - você vai vender o produto ou serviço do cliente no seu texto, mesmo que de maneira sutil.

E além dos artigos para blog, o profissional pode também fazer chamadas para mídias sociais, e-books, textos para apresentações comerciais e e-mails, etc.

É claro que para oferecer os demais serviços é preciso um bom conhecimento, o que não é difícil de conquistar.

Basta estudo, disposição e dedicação!


Como o redator freelancer deve trabalhar?

O redator freelancer é autônomo e, portanto, pode escolher a forma como gostaria de trabalhar, tanto com relação a horários, dias da semana, nichos de clientes, etc.

Ele também deve definir a sua maneira de cobrar (que pode ser antecipada, ao final do projeto, por meio de transferência bancária, boleto, entre outros) e os preços praticados (por hora trabalhada ou por quantidade de palavras, por exemplo).

É possível receber o valor por texto ou por pacote, tudo vai depender da necessidade e da negociação que fizer com o consumidor.

O profissional precisa também se organizar com um cronograma de demandas para garantir um bom planejamento e as entregas dentro dos prazos combinados.

Outro ponto importante está relacionado às pautas.

Ele pode receber uma ou mais pautas já definidas pelo cliente ou então sugerir um calendário editorial com base em temas atrativos para o negócio dele.

Tudo vai depender do seu conhecimento, mas é claro que a segunda opção torna o trabalho muito mais valioso, considerando, inclusive, que a maioria dos empresários não sabe exatamente sobre quais temas deve escrever.


Quais são os tipos de clientes que aparecem?

Pode aparecer todo tipo de cliente.

Mas a maioria são os pequenos e médios empresários, que querem ganhar autoridade no mercado por meio de artigos.

Não que as empresas maiores não vão te contratar, mas, convenhamos, elas se tornaram grandes justamente porque já possuem bastante autoridade.

E até por terem mais grana, talvez invistam em agências robustas para esse tipo de trabalho.

Portanto, quem precisa de você geralmente é o pequeno e médio empreendedor, que não tem condições de investir muito, mas precisa urgente conquistar o mercado, sair na frente da concorrência, vender o seu produto ou serviço, etc.

Que bom que estará lá disponível para ele!

Calma, você não vai cobrar R$ 10,00 um texto de 500 palavras.

Aliás, pode esquecer esse valor.

Coloca aí no mínimo 4 ou 5 vezes mais.

Falaremos sobre quanto cobrar (e, claro, como encontrar clientes dispostos a pagar) em outros artigos.

Por hora, guarde a informação.

Mas voltando... esse consumidor que mencionei até agora é o final.

Outro tipo que aparece bastante é a agência, aquele cara que faz um trabalho de marketing para empresas, que não tem a expertise na escrita, e te chama para elaborar os textos dos clientes dele.

Ou então o que tem um negócio de conteúdo, mas está terceirizando a demanda para atender mais e assim poder ganhar mais também.

O legal dessa opção, é que geralmente a agência vem com três, quatro, cinco ou até mais clientes para o seu cronograma.

Mas ela vai pagar o seu preço?

Sim!

Aliás, todos vão pagar.

De novo, guarde essa informação que trataremos do tema nos próximos textos.


Quais são os conhecimentos necessários?

Vamos agora saber quais são os conhecimentos necessários para o trabalho?


1- Escrever bem (obrigatório)

É claro que saber escrever bem nem deve entrar em discussão.

Mas antes de pegar qualquer trabalho, pergunte-se se de fato tem essa habilidade.

E não, não é só você que deve achar isso. O cliente também (e principalmente ele).

A dica é que faça uma análise crítica da sua escrita e peça para amigos e familiares lerem e darem os feedbacks com toda a franqueza.

E se perceber que precisa melhorar, não se preocupe.

Existem diversos cursos com preços acessíveis e artigos na internet que dão uma baita força.

Outra dica interessante é criar o hábito da leitura, tanto de livros quanto de textos na web.

Mas atenção: Você precisa encontrar fontes seguras e confiáveis. Lembre-se de que a internet tem de tudo e o que não faltam são artigos extremamente mal escritos.

Por último, pratique, pratique e pratique mais.

Escreva para você mesmo sobre algo que gosta de fazer ou até sobre suas metas de vida.

Esta última, aliás, é uma dica legal não só para praticar a escrita, mas também para refletir sobre os seus objetivos, que nem sempre estão tão claros, não é?

E não se esqueça: os errinhos e a falta de fluidez no texto são um verdadeiro tiro no pé.

E você, mais do que ninguém, precisa ser extremamente chato e crítico com isso.

Portanto, primeiro escreva bem e depois comece a trabalhar ;-)

Até porque, sem essa premissa você não vai poder cobrar um valor justo pela sua entrega, certo?


2- SEO (desejável, e muito)

SEO significa otimização para motores de busca.

Basicamente, são estratégias que levam uma página às primeiras posições do Google de maneira gratuita.

Exato, sem que o cliente precise pagar campanhas.

Ele envolve URL, conteúdo atrativo, exclusivo e relevante, links internos e externos, título, meta descrição (aquele resumo que aparece no Google antes de abrir a página), SEO Title (o do Google, não o do texto), imagens, design responsivo, etc.

Calma, não é preciso que faça tudo isso.

Bom, você até pode fazer, mas aí já não será somente um redator, mas sim um redator especialista em SEO, com uma entrega de valor muito maior ao seu cliente, o que certamente leva a um preço mais alto também.

Mas vamos supor que queira focar os seus esforços no trabalho de redator freelancer.

Os conhecimentos que farão grande diferença quando falamos em SEO são:

  • Título atrativo
  • Conteúdo relevante
  • Palavras-chave
  • Links internos
  • Links externos, com muito cuidado para não incluir o link do concorrente do cliente
  • Parágrafos curtos
  • Meta descrição e SEO Title, caso o empreendedor precise

Esses conhecimentos não são primordiais, mas certamente eles farão grande diferença para o seu cliente, além de serem ótimas pedidas para aumentar o seu valor na negociação.

Fora que as empresas realmente necessitam e esperam por esse tipo de serviço.

Tudo que você vai ouvir por aí é SEO pra cá e SEO pra lá.

E se é uma necessidade de mercado, é interessante que conheça para ganhar espaço e também boas oportunidades.

Se quiser mesmo ser um redator freelancer, é só acompanhar os próximos textos por aqui para entender melhor sobre SEO.


É possível ganhar bem como redator freelancer?

Sim, é possível ganhar bem como redator freelancer, até mais do que você ganha no seu emprego atual ou ganhava no anterior.

Isso significa que existe a chance de trabalhar full time e pagar todas as suas contas tranquilamente.

Fora que as despesas com esse trabalho são mínimas.

Se dá para crescer?

Opa, claro que sim!

E chegar nesse patamar é mais simples do que imagina.

Trata-se muito mais de usar as estratégias certas. Falarei sobre elas nos próximos textos.

E se você já começou a trabalhar na área e tem ganhado muito pouco, é porque algo está faltando, como:

  • Escrever bem, para conquistar mais clientes.
  • Divulgar o seu portfólio, para vender o seu trabalho de forma mais profissional.
  • Saber prospectar.
  • Saber se vender.
  • Cobrar um valor justo (para você, claro).

Sabe aquela autoridade que o seu cliente quer ter no mercado dele que falei no início do texto? Você também precisa buscar isso!

Exato!

Seja um empreendedor e não um mero redator.

Coloquei essa última frase só para te deixar com a pulga atrás da orelha. Vamos discutir muito sobre isso por aqui!


Vale a pena ser um redator freelancer?

Se vale a pena ser um redator freelancer?

Depende do que você quer para a sua carreira.

Se pretende: atuar de casa, fazer os seus horários, não ter um chefe e conquistar autonomia, então esse trabalho é para você!

Mas antes, tenha certeza que gosta mesmo da tarefa.

Já atuou em algo que detesta?

Pois é, não tem nada pior no mundo do que passar oito horas por dia (ou mais) fazendo o que não curte.

Portanto, primeiro você precisa gostar do trabalho e se identificar com ele, afinal, se o que quer é apenas autonomia e trabalhar em casa e sem chefe, é só montar um e-commerce, por exemplo.

E apostar na produção de conteúdo porque a tarefa não requer altas despesas dificilmente fará com que a sua empreitada dê certo!

Mas se é o que quer, te convido a passar semanalmente aqui pelo blog.

Você vai receber dicas para uma melhor atuação como redator, para prospectar clientes, para cobrar mais, para mostrar o seu valor, entre outros temas.

Por aqui, nós vamos conversar sobre o redator muito mais no papel de empreendedor do que de freela, o que é ainda mais interessante!



E aí, vai ou não vai ser um redator freelancer?

Já é um?


O que está achando?

Envie uma mensagem com a sua opinião!

Artigos Relacionados

Comentários

Junte-se ao melhor grupo de redatores

Entre na lista de redatores para fazer parte do grupo exclusivo e receba os meus conteúdos com prioridade

- Todos os direitos reservados - Roberta Reis